Café especial ou tradicional, qual escolher?

Para muitos, o dia só começa depois de tomar aquela xícara de café. Para outros, o “cafézinho da tarde” é indispensável. E ainda há aqueles nos quais independente da hora, não abrem mão dessa deliciosa bebida. Porém, o que muita gente não sabe é que há diferentes tipos de grãos para serem encontrados e consumidos, indo do café tradicional ao especial.

Para te ajudar na hora de escolher qual grão adquirir, preparamos esse conteúdo. Nele, você vai conhecer curiosidades do queridinho dos brasileiros e aprender a escolher o melhor tipo para seu consumo. Vamos lá?

Qual a origem do café?

Antes de começarmos, vamos primeiro entender quem são os responsáveis por descobrirem essa fruta que vicia a tantos. De acordo com o livro, “História do Café” de Ana Luiza Martins, publicado em 2008, muitos acham que a bebida foi originada da Europa ou da Etiópia. 

O que poucos sabem é que, de acordo com manuscritos encontrados no Iêmen e datados do ano 575 d.C, foi um pastor de cabras africano, chamado Kaldi, e um monge, os responsáveis por descobrirem a fruta. De acordo com a “Lenda de Kaldi”, o pastor observou que suas cabras mudavam o comportamento quando mastigavam os frutos amarelo-avermelhados, ficando mais dispostas e cheias de energia.

Porém, só a partir de 1450 que o hábito de tomar café como bebida começou a ser popularizado, sendo comum entre os filósofos que precisavam se manter acordados para praticar exercícios espirituais. Poucos anos depois, em 1475, a Turquia foi o país responsável por disseminar esse hábito pelos continentes, produzindo o primeiro café do mundo, o Kiva Han.

De acordo com um levantamento feito pelo SIS/Sebrae, atualmente o Brasil é o segundo maior consumidor da bebida, consumindo cafés especiais e tradicionais, e possuindo uma excelente reputação no exterior.  O consumo do café premium fica em torno de 70 mil toneladas, o que equivale um percentual de 5% a 10% do consumo total. 

Gráfico: Consumo de Café no Brasil, divulgado em 2019 pela Abic. Disponível em: Revista Cafeicultura (08/02/2019).

Qual a diferença entre café especial e tradicional?

Para classificar o café em Especial ou Tradicional, a ABIC (Associação Brasileira da Indústria de Café) criou em 2005 o Programa de Qualidade do Café (PQC). Esse programa faz uma avaliação sensorial de 10 pontos, por meio de um provador treinado, que analisa os segmentos: tipo de café, aroma, corpo, sabor, moagem, torra e bebida.

Entender o tipo do café a ser consumido, garante que o consumidor consiga adquirir o produto exato para seu gosto, criando experiências únicas para os amantes de café.

  • Café Especial: 

Conforme o próprio nome sugere, os cafés do tipo Especial são feitos a partir de grãos selecionados, com valor agregado desde a produção, até a embalagem. Por isso, apresentam um sabor com doçura natural dos grãos, que contrasta com a acidez agradável de frutas vermelhas maduras.

A nota desse tipo de café na escala PQC varia entre 7,3 até 10. Como é um produto de qualidade elevada, seu preço de consumo é maior do que o tradicional. Porém, para os amantes do café, o valor é justo, comparando com o tipo de produto recebido em casa. 

  • Café tradicional

De acordo com a escala PQC, o café tradicional é aqueles que possuem uma nota entre 4,5 e 6. Ao ser moído, ele pode conter até 20% de defeito em seu blend. Ou seja, pode conter grãos verdes e defeituosos. 

É caracterizado por ter uma moagem mais fina e uma torra bastante escura, o que ajuda a disfarçar as imperfeições dos grãos, e faz com que seja necessário a adição de adoçantes, pois suas imperfeições geram o sabor amargo.

Esse café é bastante popular, podendo ser encontrado nas prateleiras do supermercado ou servidos na padaria, por exemplo. Apesar de ser um bom café, está longe dos produtos de alta qualidade, encontrados na linha especial. 

3 tipos de café especial que você não pode deixar de conhecer

Agora que você já sabe a diferença de qualidade entre os tipos, está na hora de provar dos melhores grãos. Para isso, separei 3 tipos de café especial que você precisa conhecer:

  • Café Premium Super Café Mineiro: produzido nas fazendas da região entre a Serra da Canastra e o Lago de Furnas – MG, possui uma torra clara e grãos selecionados, sendo o café ideal para quem prefere a bebida com sabor suave. Pode ser encontrado nos tipos “cereja natural” e “cereja descascado”, em grãos ou moído.
  • Café São Lucas: por possuir uma torra intensa, é um café mais escuro e amargo, porém menos encorpado. Esse café possui pontuação número 80 no índice PQC, sendo ideal para quem gosta da bebida “mais forte”.
  • Café Moído Constantino: esse produto é produzido em São Sebastião do Paraíso – MG, em uma altitude de 1.100 metros. Seus grãos são 100% arábica, selecionados com um rigoroso sistema de qualidade. É um café equilibrado, cremoso e aveludado, com aroma de chocolate e nozes.

Agora que você já sabe a diferença entre os tipos de café, aproveita para compartilhar esse conteúdo com seus amigos amantes dessa bebida que conquista o paladar de muitos. Tenho certeza que eles irão querer conhecer os produtos especiais, assim como você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s